Deficiência intelectual e teorias sobre a mente: será que tem alguém que não aprende?

  • Júlia Cristina Coelho Ribeiro EAPE

Resumo

Este artigo tem por objetivo problematizar as chamadas teorias da mente humana, produzidas historicamente na interface entre os domínios da ciência e do senso comum, tendo em vista a necessidade de compreender suas implicações para as avaliações diagnósticas e para as intervenções pedagógicas dirigidas a estudantes com deficiência intelectual. Pretende focalizar, também, como o processo de ensino-aprendizagem tem sido concebido e o que as pesquisas no campo da Psicologia Cultural têm apontado no sentido de favorecer a aprendizagem e o desenvolvimento de estudantes com deficiência intelectual, no contexto da escola inclusiva. Para tanto, apresentamos um estudo de caso na intenção de nos debruçar sobre as relações existentes entre o que é aprender e o que é ensinar; sobre quais critérios tem sido historicamente produzidos na definição de deficiência intelectual, com foco nas concepções sobrenaturais, naturalísticas e histórico-culturais subjacentes às práticas socais dirigidas a essas pessoas e, também, sobre a importância da alteridade social na mediação do processo de produção de conhecimentos, na perspectiva do ensino dialógico e da educação inclusiva. A abordagem do ensino dialógico, portanto, corrobora a nossa compreensão de que a aprendizagem resulta de um processo em que as pessoas, com ou sem deficiência, negociam significados, de maneira intersubjetiva,
com a intenção de produzir conhecimentos, que sejam de uso social, conforme apresentado e discutido no estudo de caso em questão.

Publicado
Mar 27, 2018
##submission.howToCite##
RIBEIRO, Júlia Cristina Coelho. Deficiência intelectual e teorias sobre a mente: será que tem alguém que não aprende?. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 187-195, mar. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/338>. Acesso em: 24 jun. 2022.