O discurso sobre a inclusão de alunos cegos, com baixa visão e cadeirantes em escolas de línguas estrangeiras

  • Juliana Araújo Ribeiro Universidade de Brasília
  • Débora Sousa Martins

Resumo

Pessoas de quaisquer faixa etária, classe social e condições físicas ou mentais têm buscado aprender uma língua estrangeira e muitas escolas buscam agregar aos seus conceitos e práticas as mais variadas formas de inserir com qualidade essas pessoas em suas diversidades. Tratando-se da inclusão de alunos cegos, com baixa visão e cadeirantes, será que o discurso existente sobre a acessibilidade está em consonância com a realidade das escolas? O discurso de muitos gestores e professores aponta para uma promoção do acesso aos alunos, o que não é sinônimo de acessibilidade. Este trabalho tem como objetivo analisar os discursos de professores, gestores e alunos envolvidos em um contexto de inclusão de alunos cegos, baixa visão e cadeirantes em escolas de línguas estrangeiras. Espera-se, com as questões levantadas, que todos possam refletir sobre a temática abordada, fazendo-se, na medida do possível, as mudanças necessárias para que as escolas estejam inseridas em uma sociedade que segrega menos e que, de fato, trabalha com o conceito de inclusão. Este estudo foi realizado em Centros Interescolares de Línguas do DF, por meio de entrevistas e observações com notas de campo. 

Publicado
Mar 27, 2018
##submission.howToCite##
RIBEIRO, Juliana Araújo; MARTINS, Débora Sousa. O discurso sobre a inclusão de alunos cegos, com baixa visão e cadeirantes em escolas de línguas estrangeiras. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 202-209, mar. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/399>. Acesso em: 24 jun. 2022.