Diretividade e liberdade na brincadeira na Educação Infantil: um debate tão antigo e sempre novo

  • Maria Auristela Barbosa Alves de Miranda SEDF

Resumo

Este artigo se configura como revisão bibliográfica sobre a brincadeira na Educação Infantil. Discute teorias que defendem essa atividade de maneira dirigida a favorecer a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças, bem como o contraponto da brincadeira como atividade livre de qualquer direcionamento, em que o papel do professor se resume a organizar tempos, espaços e materiais para que as crianças brinquem. Concluímos que nas instituições de educação coletiva (creches e pré-escolas) a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças são beneficiados pelas duas formas de atividade, portanto, uma não se contrapõe à outra mas, ao contrário, são complementares. A brincadeira dirigida precisa considerar o interesse das crianças e a brincadeira livre estar aberta às sugestões dos professores a fim de que se amplie o repertório lúdico infantil.

Publicado
Abr 18, 2018
##submission.howToCite##
MIRANDA, Maria Auristela Barbosa Alves de. Diretividade e liberdade na brincadeira na Educação Infantil: um debate tão antigo e sempre novo. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 119-125, abr. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/353>. Acesso em: 16 ago. 2018.