Constituição identitária na aquisição tardia de língua de sinais

  • Linair Moura Barros Martins

Resumo

Adultos surdos que cresceram sem contato com outros surdos e sem aquisição de uma língua compõem um grupo que tem se beneficiado de projetos de ensino da língua de sinais e português escrito, adequados às suas condições linguísticas. O encontro com os pares surdos, no processo de aquisição da língua de sinais, possibilita a superação do isolamento social pelo compartilhamento de experiências e de sentidos construídos sobre a surdez. Propiciar a aquisição de língua de sinais nesse contexto, enseja a criação de um espaço discursivo em que os tópicos conversacionais sejam apresentados pelos próprios aprendizes. Dessa forma, a aquisição da palavra/sinal promove novas interpretações sobre si e sobre o mundo, possibilitando constituição histórica e identitária dos aprendizes, bem como a competência comunicativa que é adquirida concomitantemente com um conjunto de valores e atitudes dos falantes em relação à língua. Este trabalho investiga a importância da criação de espaço de fala sinalizada espontânea no contexto de uma classe exclusiva de surdos jovens e adultos que estão aprendendo a língua de sinais e a língua portuguesa escrita tardiamente. Os resultados apontam que os momentos de fala sinalizada espontânea colaboram para a aquisição da língua e dos valores partilhados pela comunidade de falantes, revelando sua importância para o desenvolvimento da linguagem e fortalecimento da identidade linguística e cultural.

Publicado
Mar 27, 2018
##submission.howToCite##
MARTINS, Linair Moura Barros. Constituição identitária na aquisição tardia de língua de sinais. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 249-254, mar. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/324>. Acesso em: 24 jun. 2022.