Políticas de Avaliação da Educação Básica: Um olhar para a subjetividade

  • Roberta Maria dos Santos Sousa Secretaria de Educação DF

Resumo

O objetivo é analisar o olhar do Estado na configuração das políticas para as diretrizes do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Os resultados apontam que a educação como direito passa a ser vista como mercadoria, sendo administrada pela lógica produtivista e sob pressupostos de padrões diferenciados de qualidade de ensino. Constata-se que as diretrizes políticas da avaliação da educação básica, formuladas pelo Estado, não se enquadram à realidade, devido ao papel de Estado mínimo na área educacional, transpassou-se esse dever para a escola, restando ao Estado a função de regular os requisitos propostos pelo mercado. A discussão contempla também o olhar dessas políticas de avaliação e seus reflexos no contexto escolar, sabemos das contribuições relevantes no replanejamento do trabalho pedagógico da escola, mas a indagação é que com os resultados do ideb foi sendo desvelada uma realidade que esse programa não percebe, não percebe as peculiaridades de cada escola, sua cultura, o sujeito como ser e suas condições de aprendizagem. Nessa perspectiva destacamos o olhar sensível que a escola deve atribuir ao analisar esses resultados do ideb e a postura social, planetária e auto-sustentável do educador e de todos envolvido nesse contexto para redimensionar o trabalho pedagógico e atingir de fato a aprendizagem significativa, assim caminhamos para seguir ao destino da avaliação formativa, que avalia para incluir, incluir para aprender e aprender para desenvolver-se.

Publicado
Nov 28, 2017
##submission.howToCite##
SOUSA, Roberta Maria dos Santos. Políticas de Avaliação da Educação Básica: Um olhar para a subjetividade. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 4, n. 4, p. 90-94, nov. 2017. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/267>. Acesso em: 16 ago. 2018.