Escola do Campo: No campo da Escola Classe Córrego Barreiro, Gama, Distrito Federal

  • Núbia Dias Abreu SEEDF

Resumo

O contexto  de incertezas em todas as áreas é enorme, porém, torna-se muito urgente ressaltar a provocação de reflexões sobre o processo do movimento de propostas de educação do campo que se deve construir de forma sistematizada e crescente, considerando a história de vida trazidas e construídas por cada individuo que frequenta ali na escola, a saber, a Escola Classe Córrego Barreiro. Percorrendo pesquisas, as histórias dos movimentos de lutas por conquistas das terras, os movimentos sociais do campo, realizando leituras diversas, chegamos à compreensão inicial de que nenhuma comunidade é estanque e merece o despejo em suas cabeças do que está apenas nos livros didáticos. É necessário construir uma proposta específica, isto é, de se elaborar coletivamente metodologias que atendem às especificidades da comunidade do campo, do local onde a escola está inserida. Implantar a essa realidade o que realmente pode ser ali considerado e partindo do inventário dessa escola. Assim, ter uma equipe gestora que incentiva a formação continuada de todos os servidores da instituição e realiza coletivamente a elaboração e desenvolvimento de projetos que prioriza as potencialidades singulares da comunidade local. A Escola do Campo deve ser respeitada em seu campo. Assim tem sido na Escola Classe Córrego Barreiro.


 

Publicado
Nov 29, 2018
##submission.howToCite##
ABREU, Núbia Dias. Escola do Campo: No campo da Escola Classe Córrego Barreiro, Gama, Distrito Federal. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 5, n. 4, p. 212-215, nov. 2018. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/570>. Acesso em: 10 dez. 2018.